Olá

Segue abaixo texto de um colega que vale muito a pena ler

Postado no blog: http://venhaoteureino.com/meu-reino-ou-teu-reino-senhor/ em  fevereiro 17th, 2010 por Celso Bertoni

 “O discurso inicial é parecido com todos eles… Acontece que o tempo vai passando e pelo fato de alguns não aceitarem as propostas expostas, estes “grupos” acabam se isolando e de repente o discurso de unidade, sem bandeiras, tudo é de todos passa para: meu reino, minhas verdades estão certas, minhas revelações são o norte, meus passos devem ser seguidos. Isso acontece não do dia prá noite, mas com o passar do tempo (muito sutilmente) isto vai acontecendo e aos poucos ao invés de Reino de Deus cada um está defendendo, para não dizer brigando/lutando, desejoso para ver as verdades do seu reino prevalecendo.”

É sempre muito polêmico tocar em alguns assuntos, porém o grito: importa que ELE cresça e que nós possamos diminuir não pode ser abafado. É inegável o reconhecimento de que a adoração terá um papel fundamental no verdadeiro avivamento (arrependimento em massa, mudança das bases em todos os níveis e a permanência deste derramar, não apenas tocando uma geração.

Algo que tenho sido levado a interceder e desejo ver, de fato, acontecendo é a permanência deste mover impulsionado e sustentando através da adoração verdadeira. É tempo em que, mais do que nunca, devemos parar de pensar no MEU REINO. Sei que isso é difícil, ainda mais depois que acabamos entrando em dilemas ministeriais. Quais seriam estes dilemas?

Vou relatar alguns, que não necessariamente seguem esta ordem. Financeiro : agora é tempo de colher o MEU fruto. MEUS CD`s, MINHAS PALAVRAS, MINHAS MINISTRAÇÕES, MINHAS VIAGENS, MEUS SHOWS, MINHAS “TOUR´s”, MEUS CONGRESSOS resumindo MEU REINO. No início o discurso é outro, mas com o crescimento da popularidade acaba-se ignorando a existência de outras palavras, de outros ministros, de outros membros do CORPO DE CRISTO. Independência: é uma característica que muitas vezes está implícita, porém atitudes revelam a realidade.

As vezes está totalmente ligado ao item anterior. Visando o retorno financeiro não há espaço para nada que faça cair este rendimento. Ou seja, necessário é isolar-se, exclusividade é solicitada (ou imposta) para poder ter o maior retorno financeiro possível, seja em inscrições, ingressos ou vendas de produtos. A regra pode ser quebrada se for compensador para o “bolso” ou imagem própria. Memória curta: no início existe um discurso, que cai rapidamente no esquecimento, a medida que há um reconhecimento da igreja. O mais interessante é que o discurso usado antes de crescimento continha solicitação de abertura e oportunidade aos ministérios já reconhecidos. Só que agora que estão sendo reconhecidos não estão dispostos a fazer nada por outros ministérios (não reconhecidos ainda), principalmente se não levam a mesma “bandeira”. Você pode estar perguntando: onde quero chegar com este artigo? Bom, aí vai algo para pensarmos, orarmos e se possível for divulgar pelo Brasil a fora.

ALGUMAS IDÉIAS: Que tal revisarmos o início de cada jornada? Que tal olhar e voltar a praticar o discurso feito no início da caminhada? Pare prá pensar. Se aqueles que já são reconhecidos pela igreja começarem agir em favor do Reino de Deus, ao invés de Reino Próprio qual será o poder de influência e mudança para nação. Com isso estou querendo sim denunciar os que visam o reino próprio, mas ao mesmo tempo estimular que tanto os “grandes”, ou “pequenos” possam baixar suas bandeiras próprias e pensar em REINO. Na prática como isso poderia ser feito? A princípio, creio que de uma maneira bem simples.

Que tal os ministros de palavra ou adoração reconhecidos pela nação estenderem as suas mão e trazerem mais homens e mulheres ao seu lado. O que ganharão em troca disto? Financeiramente NADA… O ganharão para o REINO? Muito, pois haverá uma multiplicação de ministérios sendo reconhecidos servindo ao Reino de Deus. Sei que neste ponto nos deparamos com outro dilema. Mas como saber quem e qual ministério ou ministro apoiar/ajudar?

Se você estiver disposto a visar o REINO DE DEUS ao invés do seu reino tenho plena convicção que Deus lhe mostrará. O medo da decepção é reduzido,a quase zero, quando você estiver simplesmente dando sem querer nada em troca, sem visar seus benefício próprio. por isso precisamos apenas baixar as nossas bandeiras. Deus está levantando uma geração numerosa… será que podemos ser peças importantes para poder proporcionar, debaixo da mão de Deus, esta multiplicação de ministros cheios do fogo de Deus? Bom, a resposta está bem diante de você…

MEU REINO ou TEU REINO SENHOR !?!?!? Com temor e tremor, Clamando e agindo para que o Reino Venha, Celso Bertoni