Assim como o rei se inflamou de ira contra a rainha Vasti, creio que o Senhor está para se enfurecer e se inflamar de ira. Os tempos serão mais árduos, e o juízo irá começar pela Sua própria casa, a igreja. Esse dia está chegando como está escrito em Malaquias 3:17-18.

“Eles sarão meus, diz o Senhor dos Exércitos, minha possessão particular naquele dia que prepararei. Poupa-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio, entre o que serve a Deus e o que não serve.”

A Igreja que sobreviverá a esses tempos que virão será a Igreja Ester. Uma Igreja que conquistou a atenção do amado.

Creio que esta Igreja dos últimos dias será a igreja que o Senhor declarou em Ester 2:17.

“O Rei amou Ester mais do que a todas as mulheres, e ela alcançou favor e aprovação mais do que as outras virgens.”

O Senhor tem amado a nossa geração e tem liberado o seu favor e sua aprovação. Ele tem expectativas mais do que a todas as gerações, porque, quando há paixão assim, há favor. Somos uma geração profética e privilegiada, pois creio que somos a geração dos últimos dias.

Uma geração da Igreja Ester. Sabemos que antes que Ester se apresentasse ao rei, ela teria de completar doze meses de tratamento de beleza. Isso significa que temos que receber a unção a cada dia, para nos preparar para nos encontrar com o Rei.

Uma geração que se coloca em uma posição diferente de todas as outras do palácio. Uma geração que nada pode a não ser estar com o Rei. Somos chamados a não querer obter nada além da nossa paixão pelo nosso amado. Somos propriedade do nosso amado.

Temos o maior privilégio da história da Igreja, mas também a maior responsabilidade. Veja os olhos do Senhor se enchendo de lágrimas de alegria e de expectativas sobre nós. Sobre Ele recorre o clamor que move o Seu coração. Seremos nós a geração que irá se separar completamente e conquistaremos o coração do Rei

Sermos apaixonados por Deus e sermos santos e radicais contra o pecado não será apenas uma opção de nossa religião domingueira ou uma decisão de nossa denominação. É inerente a essa relação, é um princípio, é a única possibilidade.

Cantar canções de amor, deleitar em sua unção e desfrutar do Seu poder com salvação de almas, sinais, curas e maravilhas não será mais uma escolha, mas uma questão de sobrevivência espiritual. Somente os apaixonados e desesperados sobreviverão nessa próxima etapa da vida da Igreja. O avivamento não será conhecido como parte de nossos eventos e congressos, nos quais se usam nomes de homens de Deus como único intuito de atrair multidões, quando, na verdade, há interesses escondidos.

Não a glória de Deus, mas o fervor que queima dentro de nós será a única chama que nos impulsionará a continuarmos nesse caminho, pois, por se multiplicar a iniqüidade sobre a terra, o amor de muitos se esfriará.

Texto extraído do livro “A voz Profética” de Ricardo Robortella.

Fonte: http://www.clamor.com.br